26 de abr de 2012

Leo Literatura - "Minerar o branco" - de Ronaldo Werneck


sobre os poemas de “Minerar o branco” (2008)

do poeta Ronaldo Werneck





Quando a poesia precisa minerar além do poema





A Crítica



Muito já se discutiu sobre poesia enquanto jogo de palavras, i.e., exploração da oralidade ou destaque visual, com alguma disposição gráfica de versos. São assuntos com farta bibliografia. Sejam dos adeptos de uma ou outra forma, sejam dos puristas ou dos vanguardistas. Poema é som ou desenho numa folha? Poesia é para ser lida ou contemplada? É conjunto de versos ou um verso só já é poema? Um objeto, uma coisa, é poesia? Para os adeptos do poema-objeto a resposta é afirmativa.



Como podemos ver, cada teórico teoriza o que lhe agrada ou interessa, dependendo do grau de devoção, se adepto do oral ou do visual, se devoto da oralidade ou do concretismo. Cada igreja forma os seus ideólogos, os seus bispos defensores, os seus xamãs teorizadores. O difícil é ressaltar o poético, o lírico, em cada obra e tentar ouvir o que tem a dizer. Ou o que ela quer que vejamos.



Por mais objetiva que seja uma crítica, esta ainda está carregada de subjetivismo. Há um crítico que a idealiza e produz. Não temos máquina de ler e interpretar poesia. Ainda bem, convenhamos. Assim se um crítico prefere poesia oral, epopeias rítmicas do cordel, talvez pouco vá se interessar por poemas-visuais, ou poemas-objetos. Se o poeta é vanguardista, muitas vezes nem abre um livro de cordel, acha que é coisa popular, tradicional, e que precisamos abraçar o futurismo (espere aí! o futurismo já está nos museus!) ou propagar o concretismo.



Críticos que preferem poesia oral, baladas, ritmos de cordel, poesia cantada, precisam fazer um esforço para entender poesia visual, poesia-objeto, poesia no blog. Senão, com tanta subjetividade contra, não poderiam tecer um ensaio objetivo, segundo critérios estéticos. Aqueles mais vanguardistas (ou se consideram assim) mostram dificuldades ao lidarem com formas tradicionais, ou entender as letras de canções como formas poéticas. Qual a diferença entre um cantor e um poeta? Os acordes e refrões?



Por outro lado, poesia não é simplesmente aquilo que o Crítico considera poesia. E muito menos aquilo que o autor considera poesia. Para o poeta tudo o que escreve é poesia (mas pode ser apenas desabafo...) e para o crítico apenas é poesia o que sobra quando se tira a casca de sentimentalidades. É poesia o que sobrevive além da 'intenção autoral', daquilo que o poeta quer dizer. Principalmente, é poesia aquela amálgama forma-conteúdo que é transmitida ao leitor – mesmo quando ele/ela nada entende. Posto que a poesia não é necessariamente racional.





A Obra



Técnicas



Quando o poeta cuida da parte gráfica alguns fenômenos podem ocorrer. Ou a obra ser risível ou genial. Pode também ser mais do mesmo ou algum tipo de inovação. Quando o poeta trabalha a tipografia dos versos – assim os estilos de Mallarmé, Maiakovski e Octavio Paz, p. ex. - o interesse não é apenas sonoro, mas também visual. Como o poema deve aparecer aos olhos do leitor.



A poesia enquanto fenômeno visual não exclui a sonoridade – jogos de palavras e aliterações são abundantes no concretismo – nem outras particularidades da forma oral, apenas que espera-se um olhar atento do leitor. As palavras estão em arranjos, distribuídas segundo critérios (ou não) que interessam à intenção autoral.



Assim é a questão do tipo preto na página branca, ou do tipo branco na página escura, ainda o trabalhado entre contraste claro escuro, quando tudo integrado, percebe-se o quanto a disposição gráfica é relevante, sejam as marcas tipográficas, sejam os arranjos de palavras. O 'despedaçar dos versos' em degraus, ou escorrendo pela página. Algum propósito tem – nem que seja o de levar o crítico a apontá-lo.



Afinal, podemos escrever o verso “A menina ouviu em pânico o som áspero” na íntegra, ou segmentá-lo em sintagmas, para ressaltar os constituintes. Assim podemos escrever o verso em degraus, um elemento por linha,



A menina desperta

ouviu em pânico

o som áspero



se desejo ressaltar que é uma menina - e não é um menino, ou senhora – e que ela ouviu em pânico – e não caiu no sono, ou escovou os dentes – e o que ela ouviu, um som que julgamos desagradável (o ranger de uma porta? O estilhaçar de um vidro?), mas é possível ainda, se quero destacar o estado de pânico e o tipo de som, escrever assim:



A menina desperta

ouviu

em pânico

o som

áspero





O verso ocupa mais espaço na página, pode ser melhor visualizado, pode ser lido mais prontamente ou lentamente, a depender o estado de suspense para o leitor – que pode deslocar ênfases para 'em pânico' e 'áspero'. A disposição gráfica apenas facilita, norteia, não determina. Antes, os determinantes seriam uso de negritos, itálicos, parênteses, fontes diferentes em cores e tamanhos, mais próximo ao concretismo.





A menina (desperta)

ouviu em pânico

o som áspero



Portanto foi um pânico imenso que a menina (não qualquer uma, mas a desperta) ouviu o tal som áspero (muito áspero, percebe-se pelo tamanho da letra e pela cor rubra) , ou seja, o poeta pré-determina a leitura do leitor ao ressaltar trechos do verso. Destaques em tamanho e cores são recursos visuais, enquanto na poesia falda o declamador pode sussurrar ou gritar, acelerar ou frear a leitura.



Citando a obra, ressaltamos que o verso é 'não noites não nozes não vozes' mas graficamente se dispõe assim, em degraus descendentes,



não

noites

não

nozes

não

vozes



(p. 211, “Velhos Natais”)



Outra marca tipográfica que destacamos é o uso de certos tipos de letras – ora maiúsculas ora minusculas, ou o predomínio de uma ou outra. Aqui, na obra que folheamos, eis a preferência por letras minúsculas – alguma influência do poeta e. e. cummings (1894-1962), que adorava inovações tipográficas? É possível que sim, pois poemas inteiros são escritos em minúsculas,



vem da mata o menino

de mim das minas claras

de miniminas raras



vem da mata o menino

no alto-gerais traços

tontos trecos e trapos



vem da mata o menino

solta-se das gerais

de si minas não mais



(p. 138, “Vem da Mata o Menino”)



Assim, estamos abordando as técnicas, que são muitas. O trabalho com as palavras é sensível e visível. Percebemos repetições, aliterações, palavras cognatas, ou que parecem cognatas, rimas, assonâncias, fusões, derivações. Mais, jogos verbais, fragmentação silábica, jogos de palavras, trocadilhos, citações, referências, paródias, intertextualidade (com livros, autores, filmes, etc) em recursos que lembram os estilos de Affonso Romano de Sant'Anna e Affonso Ávila, só pra ficarmos aqui em Minas,



balas bailam tontas

zunem zonzas

a metralha ruge

a mortalha rouge



(p. 61)



o corpo-roto

de selva & sangue

o mito-morto



(p. 67)


reluz teu rosto farol fresta facho

de outrora clarão que se locomove

chiaoscuro caro cálido colo

vem de volta vem comigo vem rosto



(p. 87)





olhos meus olhos


sobre meus olhos



(p. 91)



minhas mãos / tuas mãos / as muitas tuas / minhas mãos



(p. 92)



o amor bateu / forte / ardeu forte

ao amor / bateu / sorte



(p. 92)





erra o poeta pelo erro

erra o poeta por não ser

em si manhã e por não ser

em si manhã e por não ver

que ver rever reverberar

o erro não mais é errar

pelo mundo errar aspirar

errar pelo erro de errar

errar pelo tempo profundo



(p. 152)



e fala magra e mansa e magro

e tão mago e leve



(p. 218)





Intertextualidade



De influência em influência, os autores dialogam com autores, os textos carregam 'pistas' para outros textos. É sensível aqui, em “Minerar o Branco”, o diálogo com outros poetas, por exemplo, o futurista russo Maiakovski,



maiakovksi me olha

maiaca me mira

maiatédio

é melhor morrer de vodka



(p. 76, “Annamanhece”)





ou com Tennessee Williams (1911-83, norte-americano, o autor de “Um Bonde chamado Desejo”, 1948), no leme treme tennessee” (p. 96), poema no qual enxerta a tradução do poema “How calmly does the olive branch(“com que calma o ramo de oliveira”),



Com que calma o ramo de oliva

Vê a tarde ficar menos viva

Nenhuma súplica ou ruído

Seu desespero não é sentido”



mais info em






ou com Manuel Bandeira, o poeta de Pasárgada, em “Pindamoraminas” (pp. 155-56),



não, não vo'm'embora

pra lua-pasárgada

meu tempo é agora






nada de pasárgada

-vem, vamos embora

pindamonhangaba

é aqui, aurora





Outro detalhe: se o poema é muitas vezes hermético, não nos preocupemos, pois o próprio poeta cuida em explicar tudo em notas de rodapé (assim como em “Itinerário de Pasárgada”, Manuel Bandeira explicava, detalhava, expunha as 'chaves' dos poemas de sua autoria...)



Assim, no poema “A Voz”, p.ex. só quem leu a biografia de Frank Sinatra vai entender imediatamente – então o poeta vem socorrer o leitor - “a voz” é o próprio Sinatra, chamado 'the voice', pela plenitude de sua expressão vocal, de talento indiscutível.



São várias as referências a autores, livros, filmes que o leitor (ainda mais o jovem) pouco reconhece, daí se justificassem as notas de rodapé. Quem foi Hemingway? Quem foi Godard? Quem são os ícones do cinema ou da literatura que ainda nos influenciam hoje? Enquanto cinéfilo e poeta, ou poeta e cinéfilo, Ronaldo Werneck poderia polemizar, criar mesmo as controvérsias. Quem são os nossos referenciais? Quais os nomes para os quais não precisamos de notas de rodapé?





Metalinguagem



Ressaltamos as influências pois estamos em território do autor-leitor, ou seja, um autor que se entrega a ler e reler obras de outros autores, e intertextualidade certamente não faltará. Esta leitura constante faz o autor pensar a própria escrita, quase um escrever e meditar sobre o ato de alinhar palavras, ao ressignificar o mundo.



Tudo em abundante recorrência de um fenômeno normal em nossa era: metalinguagem. A poesia adora falar de poesia, parece. O poema aponta para si mesmo, enquanto poema. Lembra o tempo todo ao leitor que se trata de um poema (como se precisasse ficar reafirmando isso!),




Em “Preto Nu Branco” (p. 39) temos uma dica



não leia

de arranco:

opresso é

o poema:

eco

mas a poesia

salta

do branco

-ecco!





Mais metalinguagem entre os jogos de palavras, que se destacam em rimas internas ou aliterações, deslocados em blocos descendentes no branco da página,



pó poesia

pois é um voo em vão que se desvela

e resvala

sentinela

inconstante



(p. 41, “De Céu e Nuvem”)



e



o pó do poema

a poesia recompõe

em meus braços

a poesia



(p. 122, “A Poesia nos Braços”)





e também,



poesia

o poema

trabalhado



poesia?

O poema

só suor



poesia?

O poema

apanhado



(p. 129, “Sim-Sim: Cinco Minutos”)





Convenhamos, o poema se esforça, se espreguiça, se alinha, se derrama para falar sobre si mesmo. Metapoema é uma recorrência, tal um espelho refletindo a si mesmo em infindas, num fenômeno de recursividade. O poema que fala sobre o poema no poema... Aqueles contos do Borges que falam de contos, ou os romances de Calvino que lembram o tempo todo que são romances do Calvino... onde o referencial? Nem mais pretende 'representar' o real, o mundo exterior. A poesia torna-se assim um jogo alienado, voltado para o próprio umbigo.



Temáticas



Pensemos, além de falar de Poesia qual outros assuntos despertam a fala do poeta? O que deseja falar o poeta além do fazer poesia? Será que há um mundo lá fora? Ou tudo se resume a jogos de linguagem? Tudo é palavra ao lado de palavra e estamos conversados.



Mas certamente o poeta quer falar sobre o mundo externo, o tempo que flui, a infância, a vida de descobertas, a cidade, as polêmicas literárias, o viver (e o sobreviver) de poesia. É nessa ânsia de comunicar que destacamos os poemas “Vem da mata o menino” (pp. 138-39), “Ah! Há controvérsias” (p. 157-58), além de “Política do Troco” (pp. 58-59), onde a identidade do eu-lírico se faz presente e repensada, o ser mineiro, o chão de Minas, a voz que cria controvérsias, o poeta errante que carrega a cidade natal consigo,





vem da mata o menino

vem trem-do-mato tralhas

de minas imantadas



vem da mata o menino

alto mato seu trem

trem-do-mato trem-trem



vem da mata o menino

e do mato no asfalto

mata angústia mato





e



mudo o mundo muda

na praça sem pressa

sim: há controvérsias



um dito um não dito

novas tão funestas

não: há controvérsias



...



fado: fogo-fátuo:

minas é o que resta:

ah! há controvérsias






o preço da pressa

o fausto da festa

ah! há controvérsias





Controvérsias existentes ou não, a poesia pode falar do mundo exterior – deve falar da vida ao redor, do imposto de renda, da desigualdade social, da subnutrição, dos lobbies no legislativo, do câncer da corrupção, pois o poeta é um operário, sim, um proletário da palavra. Perguntam: o poeta tem ideologia? Responde-se: existe um discurso não-ideológico? Alguma fala sem propósito, sem emissor e receptor? A voz no poema se identifica com quem na 'luta de classes' ?





apenas mais um

como você

um operário

da palavra

(…) p. 58



um operário

que na terra

cava

a vida avara



(p. 59, “Política do Troco”)





Em que nível o intelectual é um operário? Qual a 'consciência de classe' do intelectual ? Precisamos lembrar em que contexto transitamos. Em plena década de 1960 – época de luta de classes – ideologias, golpe militar, repressão política. Luta armada, guerrilha urbana, guerrilha nas selvas, torturas. E onde se encaixa o intelectual? Quem fala de mais não é obrigado a se exilar? Caso contrário não terá um fim trágico no paredón?



Mas antes de tudo a voz do poeta volta-se para a própria poética – que não se reduz ao panfletário, propagandístico, manifesto revolucionários ou reacionário. Tematiza o que o incomoda pessoalmente até mais do que socialmente, p. ex. o tema: a Americalatina e suas veias abertas (vejamos Eduardo Galeano e sua obra “As Veias Abertas da América Latina”, onde acusa o imperialismo europeu e norte-americano pela exploração do nosso continente, hoje dado ao subdesenvolvimento ), trata-se de um tema retomado nos anos 1990,





natinovo leão

de latinoamérica



(p. 61)





surge súbita

a pré-fabricada

nas oficinas

da américa latina



das oficinas da américa

das oficinas de sombra e medo

suja morte em selva



(p. 66)



E certamente alguma ironia com o desejo dos argentinos de serem europeus? Buenos Aires certamente não é Paris, a cidade-luz, por mais que nossos hermanos tenham ânsias de potência do Cone-sul, seja no comércio, na cultura, ou no futebol,



buenos aires

não é paris

nem o sena o prata

que contracena

em noite pequena

lua-que-lua

solta na rua

de pedra e prata

salve as matas

as mulatas

e o inca sem gravata



(p. 69)





Conclusão



Concluímos, e repetimos, além de técnicas, de metapoemas, de intertextualidades, de temáticas, importa que o autor, principalmente o poeta, supere ideologias, propagandas, lavagens-cerebrais, prisões de época e de ego, empecilhos de criação e 'esqueletos no armário', desista de bens e heranças, renegue a família e as tradições, e ouse criar o novo, o não esperado, o-que-nem-vamos-digerir-agora, mas as próximas gerações podem assimilar e canonizar.



Afinal, trata-se não de teorizar ou tematizar, mas de viver e sobreviver. Sai e entra governo, mudam-se os planos de previdência social e os planos de carreira, mudam-se as legislações, alteram-se os quadros partidários, e como lidamos com tal efemeridade, fora da torre de marfim? É preciso viver o poema. Viver o poema? Sim, eis uma profissão de fé que soa singela e sincera, o verso que guardamos depois de fechar “Minerar o branco”, do poeta-cinéfilo Ronaldo Werneck, “morrer não vou sem viver este poema” (p. 46)





abr/12



Leonardo de Magalhaens









...



mais sobre o poeta Ronaldo Werneck

























poemas de “Minerar o Branco





VEM DA MATA O MENINO





vem da mata o menino

de mim das minas claras

de miniminas raras



vem da mata o menino

no alto-gerais traços

tontos trecos e trapos



vem da mata o menino

solta-se das gerais

de si minas não mais



vem da mata o menino

marilumina a lua

que blue e bamba atua



vem da mata o menino

dobra a noite a montanha

sobre o céu sol de antanho



vem da mata o menino

degredado vem veloz

trensloucado empós



vem da mata o menino

vem-vai-vai-vem agora

verde mato de outrora



vem da mata o menino

vem trem-do-mato tralhas

de minas imantadas



vem da mata o menino

alto mato seu trem

trem-do-mato trem-trem



vem da mata o menino

e do mato no asfalto

mata angústia mato





Copacabana, 29.01.91





...




AH! HÁ CONTROVÉRSIAS





mudo o mundo muda

na praça sem pressa

sim: há controvérsias



um dito um não dito

novas tão funestas

não: há controvérsias



nada mal presentes

fogo na floresta

sim: há controvérsias



fado: fogo-fátuo:

minas é o que resta:

ah! há controvérsias



não às reticências

chagas sem compressa

não: há controvérsias



o preço da pressa

o fausto da festa

ah! há controvérsias



cães na praça restos

no caos que atravessas

sim: há controvérsias



nada tal e qual

na vida adversa

ah: há controvérsias



nem tangos nem tangas

só minas homessa

não: há controvérsias



o pó que perpassa

poalha sem pressa

sim: há controvérsias



em tudo uma fresta

o azul é o que resta

ah! há controvérsias?



E pronto e basta

chega de conversa

não há controvérsias





In : “Minerar o branco” (2008)


8 de abr de 2012

Contos e Descontos

No lançamento do livro Contos e Descontos do Sr. Wilson Vicente de Sousa o encontro com o poeta Ronaldo Werneck.


Por Jorge Fábio Nascimento.
Postato por Kimura.