10 de abr de 2019

Lina Tâmega Peixoto: delicadas cambalhotas


 Na próxima sexta-feira, 12 de abril, Lina Tâmega Peixoto lança seu mais recente livro de poemas, “Alinhavos do tempo”, no Centro Cultural Humberto Mauro, em Cataguases. Na ocasião, ela fará palestra intitulada “As projeções do Barroco na poesia de Cecília Meireles”, poeta de quem foi amiga. “Alinhavos do tempo” já foi lançado com grande sucesso em Brasília no final de 2018 e, em janeiro deste ano, na Casa do Brasil em Lisboa.
A lembrança do Planalto Central leva-me a dezembro de 2017, quando de uma palestra sobre poema visual que fiz na Biblioteca Nacional de Brasília – com a honrosa presença de Lina. O diretor da Biblioteca, Carlos Alberto Ribeiro, a acompanhou até à porta quando ela estava de saída. E depois se desculpou comigo por ter deixado a sala por alguns minutos. Carlos Alberto disse então uma coisa que me deixou orgulhoso de minha querida amiga: “Lina Tâmega é uma entidade aqui em Brasília, foi uma honra tê-la conosco nesta noite”. Não me lembro ao certo se o que ele disse foi mesmo “entidade”, o que parece coisa do astral, mas se não foi deve ter sido alguma palavra afim, que Lina é mesmo “alto astral”.
Ela sempre me maravilhou com sua escrita delicada, elegante, escrita de fino trato – quer surgida de seus belos poemas, quer adornando um mero email do cotidiano: “Um abraço quase de sombra que o spot constrói entre meus dedos. Lina”. “Desejo que tudo em você fique subordinado à verticalidade e ao horizonte do mundo físico e às operações da inteligência emocional. E permaneça com a extraordinária lucidez de torcer as nuvens do desencanto para o clarão  do imaginário”. “Escrevo-lhe para deixar o cisco da letra, já que não houve o som do espírito. Depois, mando palavras. Cambalhotas de abraços, Lina”.

Fala, escreve, respira poesia
Cataguasense moradora em Brasília desde os primórdios de sua construção, a professora universitária e ensaísta Lina Tâmega Peixoto é poeta de longo curso, e das grandes. Cidadã do mundo, na verdade nunca se desprendeu totalmente do mundo-Cataguases, como afirma: “Ser mineira de Cataguases é o que não me faz ser estrangeira em Brasília, é o que me faz ser habitante de qualquer rua do mundo e nunca ser traída no meu jeito de viver”.
Sua trajetória literária inicia-se em 1949 ainda em Cataguases, com a edição da Revista Meia-Pataca, ao lado do poeta Francisco Marcelo Cabral, seu (e meu também) grande amigo. Em 1953, surge o primeiro livro “Algum dia”. Somente 30 anos depois, o segundo, “Entretempo”, 1983.  Mais duas décadas sem publicar, quando em 2005 lança “Dialeto do corpo”. E, na sequência, num só ritmo, “Água polida”, 2007; “50 poemas escolhidos pelo autor”, 2008; “Prefácio de vida”, 2008; “Os bichos da vó”, 2008; “Entre desertos”, 2014.



“Alinhavos do tempo”, de 2018, seu mais recente livro, aportou aqui em casa – na Cataguases margeada pelo Rio Pomba, tão caro a mim quanto à minha amiga poeta – em dezembro último. E, como sempre, trazendo a sutileza das metáforas tão características até mesmo em suas dedicatórias: “Para o querido amigo Ronaldo, os ruídos do coração que alinhavam o abraço de admiração e amizade que leva estas palavras até você, Lina”. A poesia assoma em cada gesto, em cada um de seus escritos – não só na força, nos muitos punti luminosi de seus poemas, motor por excelência da poesia, mas num ensaio, numa carta, num bilhete, numa postagem qualquer. “Qualquer”, palavra errada: tudo nela indica extremo cuidado, emana resplendor, halos impregnados de uma poética de grande intensidade. Lina fala, escreve, respira poesia.

O boi (e a noite) no quadrado
Tão logo pude, registrei por email o recebimento de “Alinhavos do tempo”: seu livro chegou às minhas mãos já há vários dias, mas ainda não agradeci porque queria ler antes, e ler pausadamente, como sempre degustando sua poesia, que me é muito cara. Assim, ele andou comigo já algumas vezes durante breves e recentes viagens. E eu viajei em suas páginas com grande prazer.
Como, por exemplo, na narrativa para a construção do poema “O boi no quadrado”, num enquadramento em contra plongée que remete ao cinema de Humberto Mauro. O cineasta gostava de enquadrar bois no alto dos morros de Minas, na contraluz do sol. Em sua infância, certamente você, Lina, nunca ouvira falar de Mauro, menos ainda dessa sua preferência por enquadrar bois no alto dos morros. Mas o alumbramento parece o mesmo, quase uma epifania: “Uma menina canta alguma coisa. Súbito, entra no canto palavras sobre um boi no quadrado. A imagem deste boi, sozinho no alto do morro, dentro de um quadrado de arame farpado, visto há muitos anos, solta-se de sua prisão e vem ser o lamento da tristeza retido nos ossos da solidão. Esquecida a música por instantes, fica o poema. A percepção do mundo que me havia sido doada, foi um deslumbramento. (...) A partir daquele momento, a poesia segurou minha mão: ´... não mexas no boi´ ´não batas no boi/ que o boi quer dormir/ sonhando que a noite/ subindo das noites/ sobe-lhe nas costas./ E lá se vão eles/ o boi e a noite/ atrás da saudade”.  



Que coisa mais perfeita – disse ainda em meu email (sim, “papai trabalha por email”, como diz minha filha Ulla) – isso que você escreve no “pré-prefácio”! Isso: “preciso envelhecer o presente para recriar as coisas que se escondem dentro de mim e que resistem às delicadas sutilezas da imaginação, no fazer-se obra literária”. E, na sequência, a citação do poema: “Piso descalça histórias envelhecidas/ no ranger das tábuas”.
Acho que aí está, em perfeita conjunção, uma síntese de todo o seu livro, de toda essa delicada, sutil viagem “para dentro de seu quintal”, de sua casa às margens do Pomba, ali onde o presente é envelhecido com a imagem da infância-joaninha da menina aturdida com o desconcerto do mundo. (...) “Perguntei à minha mãe como fora possível eu ter mamado na joaninha. Ela riu muito e, me afagando a cabeça, revelou que Dona Joaninha, a mulher que morava em frente à nossa casa, havia me amamentado por uma semana. O estranhamento de antes se transformou no sopro da via possível de ser inventada e carreguei o mundo para dentro de um casulo... e me transformei em herança e poesia”.

Criação do mundo e seu naufrágio
Aliás, ao falar na casa de sua infância na rua do Pomba, no quintal que se debruça sobre o rio, e na Ponte Velha, surge logo aquela imagem belíssima: “uma carcaça de estrela, tombada do azul que o céu sustenta”.  E falar no “seu” quintal me leva (você nos leva) ao impacto da imagem (como se nós a víssemos enquanto lemos) daquelas formigas, cogumelos e etc que se abrigam “para que a água do regador/ venha cabisbaixa em sua fúria/ e não alveje a criação do mundo e seu naufrágio”. A criação do mundo e seu naufrágio: que força têm essas palavras-imagem no universo daquela menina que apreende o mundo a partir do quintal que é “seu mundo”. Seus poemas respiram poesia a cada página, Lina. E nos encantam, como mágica! Sim, que encantamento tamanho salta dessas (suas) palavras que adejam sobre “a clara, linda, alta e fina fala” (que belo e altissonante decassílabo!).



“Aquela escrita de coisa, coração e susto/ é o encanto faminto que entra entre falas adentro”. Drummond disse um dia ao ler um poema de “O Centauro” do então jovem Francisco Marcelo Cabral, o nosso Cabruxa: “aqui tem coisa”. Não é preciso que eu repita o dizer de Drummond, pois sei que sempre vou encontrar muitas e belas “coisas” (como esses versos) em seus poemas. Mas quando me deparo com uma pedra-de-toque como “Volteio o corpo/e a saia abre-se em varanda” sinto que a força dessa imagem só pode me levar a dizer que aqui tem não só “coisa”, mas um constructo de muitas e muitas belas coisas.
Ótima e mais que oportuna citação a que você faz de Walter Benjamin, aquilo da importância de se rememorar a vida (para o poeta) ser mais importante que a própria vida vivida. O filósofo Benjamin, pelo menos aqui, me remete de certo modo (paradoxal, ou não?) ao lema que Mário Faustino colocava como epígrafe de sua página “Poesia-Experiência” no Suplemento Dominical do Jornal do Brasil: “Poesia e vida minha seguirão sempre paralelas”. 
Ah, sim: não posso me esquecer de mencionar o belo estribilho de Cantiga IV: “Vou a cuidar da razão/ que do amor cuida o coração/ Ai, coitada de mim!”. Pois é, minha amiga, conduzida pelo poema, a literatura assoma de cada palavra que você escreve. Repito: você respira poesia – e da mais alta qualidade. Parabéns pelo novo livro e receba daqui das margens do Pomba (infelizmente não do seu quintal), o beijabraço mais afetuoso do admirador de sempre, Ronaldo.

Emoções da inteligência
Sobre a poesia de Lina Tâmega Peixoto, escreve o poeta Joaquim Branco: “Ler um livro de Lina requer tempo. Não o tempo normal que se gasta para leituras cotidianas, mas um tempo para se concentrar mais, pois ele exige do leitor mais do que a fruição de palavras que vão puxando palavras. Seu discurso requer um silêncio dentre desse tempo para se buscar. (...) Fui dirigindo meu voo por penetráveis porém surpreendentes vias – que é assim o caminho dos bons livros – deparando ora com o recurso da metalinguagem, ora com a difícil música de alguns versos ou com a ligeireza do pensamento”.
O mesmo Joaquim – meu grande amigo e companheiro de aventuras literárias que já vão para quase meio século – citado por Lina num dos e-mails que me enviou: “Caríssimo amigo: acabei de ver o que se maravilha da vida. E estive aí no Centro Cultural Humberto Mauro para os 90 anos da Verde e escutei você narrando Humberto Mauro e falando no Mac. Voltarei depois para ouvir mais coisas de seu gesto de coração de poeta e mais, pedaços de sonhos que modificaram seu acordar em Cataguases. A cidade precisa de pessoas como você e o Joaquim, capazes de por à superfície a memória definindo o Rio Pomba e cheia de estrelas refazendo a luminosidade do pensamento. Não pude deixar de registrar aqui as emoções da inteligência que tive. Esta a mais perfeita e profunda que vive no espírito. Peço que receba meu abraço de afeto por suas palavras e que o coloque na jarra como uma flor. Lina”.




Cagiano com a palavra
Presente ao lançamento de “Alinhavos do tempo” em Lisboa, o escritor cataguasense Ronaldo Cagiano, que vive atualmente na capital portuguesa, enviou, a meu pedido, o seguinte depoimento:
“Caro Ronaldo, foi uma ótima noite o lançamento da Lina na Casa do Brasil aqui em Lisboa: bom público, apresentação da escritora Vania Chaves, um belo ensaio lido por uma professora da Universidade de Lisboa e depois as palavras da Lina. No evento, houve a fala dessa professora contextualizando toda a obra da Lina, seguida de leituras de poemas por alguns dos presentes – inclusive eu li dois e fiz um pequeno comentário, depois houve um pequeno coquetel. Em minha opinião foi um evento marcante, principalmente porque reuniu amigos, colegas, leitores e conterrâneos de Lina e todos tiveram oportunidade de percorrer esse panorama sobre sua vida e obra, buscando a gênese de seu processo criativo, desde os primórdios da estudante que criou com Francisco Marcelo Cabral a revista Meia-Pataca; do estímulo do tio-poeta Francisco Inácio Peixoto; do sopro literário de Hernâni Cidade, um primo materno e um dos reconhecidos críticos literários de Portugal que, do outro lado do Atlântico, trouxe-lhe informações, conselhos e dicas técnicas sobre o fazer poético; das influências e amizade de Cecília Meireles, da presença de Cataguases e Brasília na sua trajetória existencial e criativa, dos tantos tempos, entretempos & alinhavos que constituem sua tessitura e culminam no polimento estético de sua arte.
“Enfim, entre desertos que constituem o ser e estar no mundo de qualquer indivíduo, a poesia de Lina chegou a Lisboa  como um prefácio de vida, abriu-se aos leitores, como as asas da cidade que escolheu para seu escreviver. A poesia de Lina, que tem uma profunda inflexão imagética e sensorial, carregada de símbolos e metáforas, cristalina e diáfana na forma e na linguagem, sem dúvida a coloca entre as melhores vozes da poesia que se faz em todo o mundo lusófono, uma palavra carregada de simbologias e afetos, que é fruto de um esmerado senso de observação do mundo, das coisas; de captura da memória e da geografia ancestral; que, entre o rigor e a sofisticada elaboração, faz uma ponte dialética entre o lírico e o metafísico, entre o passado e o presente, com um sopro de inegável humanismo. É isso, meu caro. Lina merece uma grande acolhida em Cataguases e uma recepção para o novo livro. Abraço do Ronaldo Cagiano”.









3 comentários:

Eduardo P.L. disse...

Parabéns à Lina, parabéns pelo seu texto sobre ela, e adorei as cambalhotas de abraços. Devolvo-as.

Eduardo

fernanda lopes disse...

Nossa POETA!! QUE DELÍCIA LER COM A SUAVIDADE COMO ESCREVE!! MINHA ALMA AGRADEÇE, GRATIDÃO!!

Luis Antonio Martins Mendes disse...

Ronaldo:
Ia responder seu email-convite para o lançamento do livro da minha querida prima Lina, quando recebi seu segundo email. Aí parei para ler seu blog, com seus comentários sobre o livro e aobra da Lina e também os comentários do Joaquim Branco (realmente a gente precisa de tempo para ler as poesias de Lina) e do Ronaldo Cagiano, contando o lançamento do livro em Lisboa.
Por ter compromisso aqui no Rio no sábado pela manhã, infelizmente não poderei estar presente ao lançamento em Cataguases amanhã à noite. Vou tratar de comprar o livro em uma das livrarias que frequento (Travessa, por exemplo) ou através da internet.
Por favor, dê uma forte abraço na Lina por mim.
Abraços fraternos em você.
Luis Antonio Martins Mendes